44ª Mostra de SP | 10 filmes para ficar de olho

 44ª Mostra de SP | 10 filmes para ficar de olho

A 44ª Mostra de São Paulo começa hoje, e aqui separo 10 filmes interessantes para ficar de olho. Alguns já assistimos e você pode conferir a crítica aqui no site, outros escolhemos a partir dos festivais e sinopses que nos chamaram atenção. Vale a pena dar uma conferida no site oficial do evento e separar os seus preferidos também. Lembrando que a 44ª Mostra SP começa hoje (22) e vai até o dia 04 de novembro.

Sem mais delongas, seguem nossas indicações.

Suor

Suor

Um dos primeiros filmes que assisti nessa Mostra e um dos mais interessantes a meu ver, Suor explora a vida pessoal de uma influenciadora digital, mostrando um lado pouco visto das redes sociais. O diretor Magnus von Horn cria uma trama instigante, que consegue se comunicar com o público mais velho e também o mais novo, além de trazer uma boa mensagem para o publico que não parece lembrar que está lidando com pessoas — que tem seus traumas e ansiedades próprios — na internet, onde a regra é mostrar apenas o lado bom da vida.

Leia a crítica


Casa de Antiguidades

O nacional Casa de Antiguidades de João Paulo Miranda Maria por pouco não marcou presença no Festival de Cannes deste ano. A obra chegou a ser selecionada, mas o festival sofreu o impacto da pandemia e foi cancelado. Ainda assim, os selecionados foram divulgados e a obra, que aborda temas como racismo e xenofobia ganhou o selo de Cannes. Agora, a obra estará presente na Mostra e promete ser um dos destaques, inclusive ganhando sessões no Belas Artes Drive-In.


Kubrick por Kubrick

Kubrick por Kubrick

A contribuição de Stanley Kubrick para a sétima arte é inquestionável. Um dos maiores diretores da história do cinema tem sua obra e mente dissecadas por imagens de arquivo de entrevistas de artistas que trabalharam com o diretor — de Malcolm McDowell à Shelley Duvall –, além de ser guiado pela própria entrevista do diretor, concedida ao crítico de cinema Michel Ciment. Kubrick por Kubrick é um estudo indispensável para qualquer fã de cinema, que diretamente ou não, irá ser impactado pela obra de Kubrick em algum momento.

Leia a crítica


Coronation

Se há um evento que marcou 2020 foi a pandemia mundial de COVID-19, que impactou o mundo de diversas formas, seja no convívio, na forma como trabalhamos ou até como consumimos conteúdo. Em Coronation, o diretor Ai Weiwei documentou a progressão da pandemia, desde o surgimento do primeiro caso em Wuhan até o último dia do lockdown decretado na cidade. A obra foi dirigida e teve sua produção realizada de forma completamente remota pelo diretor, que utilizou imagens captadas pelos cidadãos comuns de Wuhan.


Nova Ordem

Se o conflito de classes já tomava o cinema de forma marcante através do sensacional Parasita, o diretor mexicano Michel Franco traz novamente o tema a tona, não como linha de chegada, mas como gatilho para criar uma trama que explicita a fragilidade das democracias, que vivem sob constante ameaça nos últimos anos por governos que flertam com o facismo em diversas partes do mundo. Um retrato violento e assustador, que arrebatou o Leão de Prata no Festival de Veneza.

Leia a crítica


Welcome to Chechnya

Em tempos de tamanha intolerância, Welcome to Chechnya é um documentário impactante e necessário, que mostra a realidade da República da Chechênia, na Rússia, onde cidadãos LGBTQ+ vivem sob constantes ameaças de tortura e morte, sob o olhar de um governo que nada faz para intervir, legitimando tais atos. A obra acompanha um grupo de ativistas que buscam revelar ao mundo a situação, além de agir para ajudar as pessoas a se esconderem e escaparem com vida.

Leia a crítica


17 Quadras

17 Quadras

17 Quadras é um documentário sobre uma família afro-americana que vive há 17 quarteirões do Capitólio Estadunidense. Mesmo tão perto de tal símbolo político, o bairro é acometido por muita violência, algo registrado durante os 20 anos de filmagens e condensado na obra de aproximadamente 90 minutos. Assim, o espectador é convidado à acompanhar quatro gerações da família Sanderson, com seus altos e baixos, suas perdas e suas dores, em uma verdadeira lição de esperança em busca de uma vida melhor.

Leia a crítica


Sportin’ Life

Uma espécie de diário da quarentena, realizado pelo diretor Abel Ferrara, desde fevereiro quando apresentou seu longa Sibéria no festival de Berlim — e que também está presente na Mostra deste ano –, Sportin’ Life até agosto. A obra não apenas aborda seu olhar sobre a pandemia, mas também sobre sua própria arte, além de suas colaborações artísticas, como por exemplo sua parceria com Willem Dafoe, protagonista de Sibéria.


Feel Good Man

Imagine você ser um artista, criar um personagem cômico sem relação política, e vê-lo se tornar um símbolo da extrema-direita do dia para a noite. Basicamente foi o que aconteceu com Matt Furie, criador do personagem Pepe the Frog, meme que viralizou por volta de 2008 nos fóruns da internet e acabou se tornando um símbolo disseminado por Donald Trump, durante sua campanha contra Hillary Clinton em 2016. Essa história bizarra é o foco do documentário Feel Good Man, de Arthur Jones, que retrata o lado do artista em um momento onde os Estados Unidos se dividiram politicamente.


Fábulas Ruins

A obra de Fabio e Damiano D’Innocenzo que foi premiada com Urso de Prata no festival de Berlim também estará entre os filmes da Mostra deste ano. Sua sinopse, que sugere um thriller bastante curioso sobre pais e filhos, foi suficiente para cativar minha atenção — ainda não assisti, mas já está na minha lista.

Adam William

"Os filmes existem, é por isso que eu assisto!" Não é exatamente um "crítico de cinema", mas curte o termo "Filmmelier". Sonha em crescer e ser o Homem-Aranha um dia. Acredita que a vida não é sobre o quão forte bate, mas o quanto se aguenta apanhar. Mestre Pokémon, Sonserino e assíduo visitante da Terra Média.

Leia também